• Revista Maxxi

Brasil: Setor editorial fecha 2021 em ascensão


Pesquisa realizada pela Nielsen BookScan e divulgada pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), o 13º Painel do Varejo de Livros no Brasil mostra que, entre os dias 06/12/2021 e 02/01/2022, foram comercializados 5,4 milhões de livros, o que representa o crescimento de 4,9%, em relação ao mesmo período de 2020, quando foi registrada a venda de 5,1 milhões. Em faturamento, o crescimento foi de 14,1%, contabilizando R$235 milhões.


Ao longo de todo o ano passado, o setor mostrou resiliência e a adoção de boas práticas, capazes de superar as expectativas e fazer de 2021 um ano de prosperidade. Em relação a 2020, o crescimento registrado foi de 29,3% em volume e de 29,2% em faturamento. Em números reais, foram vendidos 55 milhões de livros, que movimentaram R$ 2,28 bilhões.


“Ficamos muito felizes com os resultados, por ter demonstrado que a retomada do hábito de leitura permaneceu forte, mesmo sob todas as complexidades do ano que passou. Para o ano que se inicia, a inflação em elevação traz um novo desafio, e precisaremos manter a resiliência demonstrada pelo setor até agora.”, afirma Dante Cid, presidente do SNEL.

Outro dado interessante apresentado pela pesquisa é o crescimento de 9,7% na quantidade ISBNs comercializados, que alcançou 408 mil. Isso prova, mais uma vez, o crescimento do hábito de leitura.


“Um ano de números superlativos. Na macroeconomia, a inflação é de 2 dígitos, no mercado livreiro o crescimento se aproxima de 20 pontos percentuais acima da inflação. O maior desconto médio anual já registrado fez zerar a variação do preço médio do livro. Fechamos o ano no azul elástico em função dos desdobramentos das crises e cenário pandêmico. A partir de agora devemos perseguir um ambiente menos turbulento, com variações mais ajustadas”, comenta Ismael Borges, gestor da divisão Nielsen Book Brasil.


Fonte: Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL)