• Revista Maxxi

Dia Mundial Contra a Raiva


O Dia Mundial Contra a Raiva, comemorado hoje (28), tem como objetivo reforçar para os tutores a importância de manterem a carteira de vacinação de cães e gatos atualizada. Além de ser uma doença infecciosa, é considerada uma das zoonoses (doenças transmitidas por animais) mais perigosas do mundo uma vez que pode afetar animais e humanos.


Apesar da grande disseminação de informações a respeito da doença e dos cuidados a serem tomados com os animais, a raiva continua fazendo vítimas e é uma ameaça em 150 países, totalizando 59 mil mortos por ano em todo o mundo.


Contaminação e sintomas


A contaminação ocorre através do contato com a saliva de um animal infectado, seja por meio de mordidas, arranhões ou lambeduras, as quais são capazes de transmitir o vírus rapidamente. A partir disso, o sistema nervoso central do animal é afetado, causando inflamação no encéfalo, encefalite e outros danos neurológicos fatais.


A salivação excessiva é um dos sintomas mais lembrados, entretanto, outros como mal-estar, febre, náuseas, dor de garganta, irritabilidade, mordedura, paralisia e convulsões são sinais de que o animal pode estar contaminado pelo vírus.


Prevenção


Como forma de prevenção da doença, o qual é a melhor forma de evitar a contaminação, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que, para eliminar a transmissão da raiva, principalmente em áreas endêmicas, pelo menos 70% dos cães devem ser vacinados em massa todos os anos.


Ademais, é necessário ficar de olho no período de vacinação do animal e prestar atenção se a cidade possui alguma campanha de vacinação, caso contrário, é recomendado procurar uma clínica veterinária.


Vacinação


Cães e gatos podem receber a primeira dose da vacina antirrábica a partir de 12 semanas de idade, com reforço anual, segundo as diretrizes da vacinação das World Small Animal Veterinary Association (WSAVA). Apesar da recomendação, é de extrema importância consultar um médico veterinário para fazer a aplicação do imunizante de acordo com o perfil do cão ou gato.


Outra recomendação importante é realizar visitas periódicas ao veterinário, assim é possível facilitar a identificação do problema, além de outras doenças que podem ser assintomáticas.


Proteção social


A raiva é uma doença que ainda não tem cura e sua evolução pode causar óbito. Além disso, é necessário lembrar que quando vacinamos nossos animais, estamos cuidando também da nossa família e das pessoas que convivem com ele. A vacinação evita a contaminação e elimina o risco humano também, além de contribuir com a Saúde Única.


João Sanita



headbanner.png