• Revista Maxxi

Estado deixa fase emergencial, mas segue na fase vermelha


Com uma leve queda no número de novas internações, o governo do estado de São Paulo decidiu não prorrogar a fase emergencial, que é um estágio mais restritivo e que vai se encerrar no domingo (11). No entanto, o governador João Doria, anunciou nesta sexta-feira (9), que todo o Estado de São Paulo vai voltar a seguir as regras da fase vermelha do Plano São Paulo. A medida começa na segunda-feira (12) e permanecerá em vigor até o dia 18 de abril.

"Essa medida foi tomada hoje pela manhã através do diálogo com o centro de contingência e com o governador João Doria. Isso mostra que a medida da fase emergencial e o esforço da população de São Paulo trouxe resultados", disse o vice-governador Rodrigo Garcia.

Mesmo avançando para a fase 1-vermelha, algumas medidas tomadas na fase emergencial serão mantidas nessa nova etapa. Cultos e celebrações religiosas coletivas, que são considerados atividades essenciais e poderiam funcionar na fase vermelha, continuarão proibidos no estado, atendendo ao que ficou decidido ontem no Supremo Tribunal Federal, em Brasília.


O QUE MUDA


Na prática, nas mudanças estão a permissão de campeonatos esportivos profissionais, a permissão de retirada de produtos em shoppings, comércios e outras atividades, e a permissão de atendimento presencial em lojas de material de construção.

O toque de recolher das 20h às 5h ainda é mantido, assim como a obrigatoriedade de teletrabalho para todas as atividades administrativas. É permitido agora, no entanto, o serviço de 'takeaway', ou retirada rápida


O QUE PODE FUNCIONAR NA FASE VERMELHA

Saúde: hospitais, clínicas, farmácias, clínicas odontológicas, lavanderias e estabelecimentos de saúde animal.


Alimentação: supermercados, hipermercados, açougues e padarias, lojas de suplemento, feiras livres. É vedado o consumo no local.


Bares, lanchonetes e restaurantes: permitido serviços de entrega (delivery) e que permitem a compra sem sair do carro (drive thru). Válido também para estabelecimentos em postos de combustíveis.


Abastecimento: cadeia de abastecimento e logística, produção agropecuária e agroindústria, transportadoras, armazéns, postos de combustíveis e lojas de materiais de construção.


Logística: estabelecimentos e empresas de locação de veículos, oficinas de veículos automotores, transporte público coletivo, táxis, aplicativos de transporte, serviços de entrega e estacionamentos.

Serviços gerais: lavanderias, serviços de limpeza, hotéis, manutenção e zeladoria, serviços bancários (incluindo lotéricas), serviços de call center, assistência técnica de produtos eletroeletrônicos e bancas de jornais.

Segurança: serviços de segurança pública e privada.

Comunicação social: meios de comunicação social, inclusive eletrônica, executada por empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens.

Construção civil, agronegócios e indústria: sem restrições.