• Revista Maxxi

Idosos devem adotar cuidados especiais para prevenção do câncer de pele

O clima quente com o registro de temperaturas altas, comuns ao período do verão em regiões como o interior de São Paulo, exige que os idosos adotem cuidados especiais para a prevenção do câncer de pele por meio da proteção das partes mais expostas ao sol como rosto, pescoço e orelhas. De acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), para o triênio (2020-2022) são esperados mais de 185 mil novos casos de câncer de pele no Brasil - sendo 176.930 do tipo não-melanoma e 8.450 do tipo melanoma, mais agressivo. A oncologista Cristiane Mendes, do InORP Oncoclínicas, alerta que os cuidados são simples, necessários e eficazes, podendo ser adotado facilmente na rotina. "O objetivo é criar uma barreira entre a pele e os raios solares, para diminuir o dano direto provocado pela radiação. Como não temos mais horário de verão, consideramos evitar exposição prolongada ao sol entre 9-16h, usar protetor solar no mínimo de fator 30, usar roupas de manga comprida, óculos de sol e protetor labial", afirma a médica. Um estudo da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) aponta que a incidência de câncer aumenta devido à falta de hábito da população em relação aos cuidados de com a pele. Segundo a pesquisa 63% das pessoas se expõem ao sol sem qualquer proteção. De acordo com a oncologista, existem algumas condições que devem ser observadas, já que representam um aumento no risco do desenvolvimento do câncer de pele. "O histórico de exposição prolongada e repetida ao sol, principalmente, na infância e adolescência, fatores como pele e olhos claros, cabelos ruivos ou loiros, pessoa albina, além de antecedente familiar ou pessoal de câncer de pele que também são elementos que podem representar um aumento no risco", alerta Cristiane. A médica do InORP Oncoclínicas ressalta ainda a importância de manter o corpo hidratado para auxiliar no equilíbrio e na saúde da pele. "A hidratação por meio do consumo de água é essencial para a saúde da pele dos idosos, importante para manter a umidade e fornecer nutrientes necessários às células da pele, além de reabastecer o tecido e aumentar sua elasticidade", conta Cristiane Mendes. Segundo ela, coceira, sangramento e feridas que não cicatrizam são sinais de alarme que requerem avaliação médica especializada. "O câncer de pele não melanoma ocorre, principalmente, nas áreas do corpo mais expostas ao sol, como rosto, couro cabeludo, pescoço e orelhas. Assim, é importante observar o aparecimento de manchas que coçam, ardem, descamam ou sangram e feridas que não cicatrizam em até quatro semanas.

Mitos e Verdades

Pessoas com pele, cabelos e olhos claros têm mais riscos em relação ao câncer de pele? VERDADE - Quem possui menos pigmento na pele conta com menor proteção contra as radiações ultravioleta e apresentam maior risco de desenvolver a doença.

Na sombra não é necessário passar filtro solar? MITO - Mesmo na sombra é importante utilizar o protetor solar, já que não estamos livres dos raios ultravioleta que chegam, por exemplo, na superfície do chão e é refletida para nossa pele. É necessário se proteger dos raios solares em dias nublados? VERDADE - Os raios ultravioletas também atravessam as nuvens e chegam até a nossa pele, por isso, é necessário utilizar protetor solar e acessórios como óculos de sol e chapéu. O guarda-chuva ou sombrinhas nos blindam totalmente contra os raios solares? MITO - Eles não conseguem bloquear 100% da radiação. Até debaixo deles é necessário o uso de protetor solar.


Idosos devem adotar cuidados especiais para prevenção do câncer de pele. Crédito: Freepik

Cristiane Mendes é oncologista do InORP Oncoclínicas. Divulgação