• Revista Maxxi

Mãe larga carreira e cria ONG de inclusão de jovens com Down


Thaissa criou a ONG Nosso Olhar, que promove mais inclusão para jovens com síndrome de Down. - Foto: arquivo pessoal


O primeiro filho da empresária Thaissa Alvarenga, o Francisco, nasceu com síndrome de Down. Motivada por tudo o que enfrentou com o Chico, ela abandonou a carreira e criou uma ONG para ajudar outras famílias e jovens com as mesmas características.


Por meio da ‘Nosso Olhar’, Thaissa criou uma linda rede de apoio.

A ONG é hoje um espaço de mobilização, educação e informação que incentiva, por meio de seus projetos, a inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, nas atividades artísticas e culturais.


Propósito


Thaissa diz que a ONG é um propósito na vida dela.

“Eu acredito em propósito e a ONG veio para contribuir com a causa da inclusão e levar informação à sociedade. Tenho orgulho do trabalho que está sendo feito. Meu grande objetivo é proporcionar novas possibilidades para as próximas gerações e suas famílias”, disse Thaissa em entrevista ao Só Notícia Boa.


O início


A jornada dessa mãe começou depois que ela resolveu lançar um blog para compartilhar o dia a dia com o Chico.


No ‘Chico e Suas Marias’ (as Marias são Maria Antônia e Maria Clara, irmãs do Chico), Thaissa falava sobre o dia a dia, as descobertas, as visitas aos especialistas e toda a evolução do filho.


Ela queria desmistificar a deficiência intelectual e alcançar famílias que não tinham as mesmas oportunidades de acesso aos médicos e terapeutas especializados na síndrome.

Só que o espaço foi crescendo e, mais tarde, surgiu a ideia de fundar uma instituição inclusiva.


Trabalho na ONG


Hoje Thaissa leva qualidade de vida às pessoas com deficiência intelectual e suas famílias.

A partir da instituição, as pessoas participam de projetos que acolhem, apoiam o desenvolvimento, a inserção social e autonomia. Por acreditar no trabalho em rede, Thaissa une forças e atua em conjunto com outros projetos, instituições e pessoas que acreditam na causa.


O trabalho dela vem sendo – merecidamente – reconhecido ao longo dos últimos anos. Ela atua em parceria com outras instituições, assina uma coluna no Uol, é integrante da Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down, além de cumprir outras agendas essenciais da ONG.


Thaissa também participa do Conselho Consultivo de Materno Infantil do Hospital Albert Einsten, que acolhe e orienta as mães que recebem seus filhos recém-nascidos com síndrome de Down, ou outras deficiências intelectuais.


Que super mãe! Que a sua ideia vá longe Thaissa!


Por redação Só Notícia Boa