• Revista Maxxi

Prematuridade: entenda importância da conscientização


A prematuridade é uma condição que atinge mais de um milhão de bebês nas Américas anualmente, segundo dados da Organização Pan-americana de Saúde (Opas). Nesta quarta-feira (17), é lembrado o Dia Mundial da Prematuridade, para lembrar não só os pais e responsáveis, mas também a sociedade, da importância de discutir essa pauta que quase não tem visibilidade.


Segundo os parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS), um bebê é considerado prematuro quando nasce antes das 37 semanas de gestação, tornando-se uma das principais causas de mortalidade infantil em todo o mundo. O Ministério da Saúde, em recente pesquisa, apontou que o Brasil ocupa a 10ª posição entre as nações onde são registrados mais casos de prematuridade.


As recomendações para os pais de bebês prematuros envolvem alguns cuidados específicos, como o Método Canguru, recomendado pelo Ministério da Saúde. O Método Canguru consiste em dar assistência ao recém-nascido prematuro e sua família, desenvolvendo um cuidado humanizado que reúne estratégias de intervenção biopsicossocial.


Dessa forma, é estimulada a presença dos pais na Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal, proporcionando o livre acesso dos pais ao ambiente e a participação nos cuidados com o filho, os quais deve ser individualizado, respeitando o sono e o estado comportamental do recém-nascido. Além do mais, os pais são orientados a como tocar o filho e realizar a posição canguru precocemente.


Lidar com a prematuridade de uma criança não é uma tarefa fácil e requer atendimento psicológico, ou até mesmo psiquiátrico caso seja necessário. A desinformação acerca da condição também é um fator que pode afetar bastante os pais. Assim, procurar pais que passem pela mesma situação e formar uma rede de apoio através deles pode aliviar o peso das preocupações.


Pais e bebês juntos


Anualmente, a Rede Mundial de Prematuridade realiza uma campanha de sensibilização, para alertar e informar sobre a prematuridade. Em todo o mundo, monumentos e prédios públicos são iluminados de roxo para chamar a atenção para a causa, na chamada Global Illumination Initiative.


Neste ano, o foco é a separação zero entre mãe e bebê prematuro, ou seja, permitir que a mãe tenha condições de ficar internada para acompanhar o filho prematuro o tempo todo e que o pai também tenha livre acesso. Em virtude da pandemia de covid-19, o ambiente hospitalar precisou se adequar às normas de segurança, o que acabou separando os bebês de seus pais.


O Novembro Roxo, mês da conscientização para os cuidados e prevenção da prematuridade, também alerta sobre o crescente número de partos prematuros, e como preveni-lo, além de informar sobre as consequências do nascimento antecipado para o bebê, para sua família e para a sociedade.


João Sanita/Com informações da Agência Brasil

Foto: Marcello Casal/Agência Brasil