• Revista Maxxi

Professores fazem alerta sobre como usar as redes sociais para aprender


Em um vídeo de cinco segundos, a professora de história Natasha Piedras fala sobre a vinda da família real portuguesa para o Brasil em 1808, em meio à ameaça do imperador francês de invadir o reino de Portugal. O vídeo recebeu mais de 7,7 mil curtidas no Instagram e mais de 24 mil no Tik Tok.


De forma descontraída, professores, escolas e cursinhos têm usado as redes sociais para disseminar conhecimento e matérias cobradas para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A um mês das provas, que serão aplicadas nos dias 21 e 28 de novembro, eles dão dicas de como aproveitar essas ferramentas para fixar conteúdo, mas também fazem alertas sobre os cuidados necessários para não perder o foco dos estudos e não acessar conteúdos com informações erradas.


“Um mês para o exame, a gente diz que é a reta final. Um momento de foco total. A internet pode ser uma aliada, claro, mas não é o momento de ficar horas nas redes sociais. Embora a internet ajude, ela pode ser uma distração. É bom focar nas aulas e ter a internet como algo complementar”, diz Natasha, que é professora do Descomplica, ambiente virtual que oferece cursos preparatórios para o Enem.


As aulas, segundo a professora, são importantes, até mesmo para que o estudante consiga entender as piadas nas redes. “Quando estou pensando para o Tik Tok um vídeo sobre processo de Independência do Brasil, claro que quero que o aluno tire daquele vídeo alguma coisa mas, para isso, ele precisa de um conhecimento prévio sobre a Independência, precisa ter assistido uma aula sobre o assunto. Assistiu a aula, entendeu minimamente o assunto, um vídeozinho desse no Tiktok vai fazer com que ele, de repente, absorva um pouco mais, mas de maneira leve”.


Redes Sociais e a Pandemia


Segundo o estudo Digital 2021: Glpbal Overwie Report, da Hootsuite e We Are Social, mostra que somente no último ano as redes sociais ganharam meio milhão de novos usuários no mundo todo, o que representa um crescimento de 13%. Agora, são 4,2 bilhões de pessoas conectadas, o que representa 53% de toda a população mundial

O Brasil está entre os países que mais usam redes sociais no mundo, ocupando o terceiro lugar no ranking, depois das Filipinas e da Colômbia. Em média, os brasileiros passam 3 horas e 42 minutos nas redes sociais por dia, ultrapassando a média mundial de 2 horas e 25 minutos.


“Não é um fenômeno de agora, mas com a pandemia o uso das redes sociais foi potencializado por causa desse período remoto, que fez com que muitos alunos, que não tinham o hábito de navegar na rede passassem a buscar mais informações e a acessar mais. Os professores que antes não postavam passaram a postar”, diz o professor de química dos colégios Santo Agostinho e São Bento, no Rio de Janeiro, e também criador do canal Química Nota Dez, Silvio Predis.


Mais conteúdo na rede exige, no entanto, mais cuidado. Assim, é preciso buscar informações sobre o usuário que está disseminando tal conteúdo, se é algum professor, se tem boa formação e, se possível, perguntar na escola ou no cursinho se determinado perfil é indicado.


João Sanita/Com informações da Agência Brasil

Foto/Álvaro Henrique/Secretaria de Educação/DF


headbanner.png